sexta-feira, 12 de junho de 2009

Não consigo explicar...

Não consigo explicar (eu não sei)
O que as vezes me dá (eu não sei)
Sinto frio e calor (eu não sei)
Uma espécie de dor (eu não sei)

Eu sei que (eu não sei)
To me sentindo bem, mas (eu não sei)

A cabeça gira e eu me sinto mal
O que você me disse não bateu legal
Não quero nem pensar em tudo que sonhei
Eu acho que eu sei, mas...
Eu não sei...
Acho que é amor
Quero te contar
Mas não sei explicar

Eu não sei...
Acho que é amor
Quero te contar
Mas não sei explicar

Eu não sei explicar (eu não sei)
Eu to tentando dizer mas (eu não sei)

Eu caminho tonto pela cidade
O que você me diz pode ser verdade
Não quero nem pensar em tudo que sonhei
Eu acho que eu sei mas...


Eu não sei explicar (eu não sei)
Vê se desculpa aí mas (eu não sei)

Eu sei que eu não sei
Eu não consigo falar
Você me deixa mal
Eu sei que eu não sei

(Ultrage a Rigor - Eu não sei)

Acho que esta música é minha cara. Muitas vezes sinto uma falta completa de léxico (sm. 1 Conjunto das palavras de que dispõe um idioma. 2 Dicionário abreviado. 3 Dicionário, de formas raras e difíceis, peculiares a certos autores; glossário. 4 Dicionário de línguas clássicas antigas. 5 O mesmo que dicionário e vocabulário. fonte Michelis online) para explicar o que se passa em minha mente.

Esta é a primeira vez (acho eu) que me utilizo do "explicar uma palavra através de seu significado do dicionário". Tive um finado Blog (acho que em 2005...) em que eu me utilizava do siginificado das palavras para poder utilizar de toda a potência da palavra e tentar assim esclarecer, muito mas para mim do que para os leitores (acho que no fim das contas nem tenho tantos leitores assim, ou eles são muito tímidos para postar comentários), o que a situação em si me modificava.

Acredito no que diz a física: que o observador acaba por interferir na coisa observada, pois não é possível analisar algo ignorando a bagagem pessoal e cultural, além do conhecimento em si. Uma vez que não pensamos todos da mesma maneira, o resultado das observações nunca são padrão. E que somos modificados por aquilo que analisamos, uma vez que se algo é uma novidade para quem vê existe a necessidade de repensar ou mesmo criar uma nova maneira de pensar, acrescentando no rol de conhecimentos a coisa nova, o que nos torna diferentes do que no momento anterior a apresentação do inusitado(adj.1 Que não é usado. 2 Estranho. 3 Extraordinário, esquisito)

Já citei num post anterior que adoro os circunlóquios, acho uma coisa surpreendente como podemos partir de algo prosaico e chegarmos quase a iluminação em vida!! Uma pena que não sou boa no processo...


Meu texto começou com uma música que trata de uma maneira de ver o que não se conhece ou que não se consegue apreender: Meio como minha vida. Mas antes que este texto descambe para a pieguice e lamentos melhor explicar meu estado de espírito.

Não viajo com frequência, e quando o faço nunca fico muito tempo fora. Desta vez farei duas coisas que não faço: ir para a casa de uma amiga que não mora no país. E ao mesmo tempo que me anima me assusta, e por isso a letra. Eu sinto frio e calor, uma espécie de dor.

Amanhã este horário estarei em outro lugar, não sei se conseguirei manter o blog ativo, mas tentarei.

Muito Obrigada!

Fui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nada é imutável.
E opiniões auxiliam na tarefa de mudar mentalidades.
Tente a sorte, quem sabe você consegue...